fbpx
Logo Lenda

O teu cão arrasta o rabo? Damos-te 2 justificações para que isso aconteça

Cão deitado a olhar para cima

Há um movimento muito característico que quase todos aqueles que partilham a sua vida com um amigo de 4 patas já viram alguma vez: arrastar o seu rabo pelo chão, enquanto se deslocam, utilizando as patas dianteiras.

Como se pode imaginar, a causa principal costuma ser a comichão, e este comportamento é a forma do teu patudo se coçar. Contudo, as causas dessa comichão são, principalmente, duas:

1. As Glândulas Anais no teu cão

(As glândulas anais encontram-se sob o esfíncter anal, dos dois lados do ânus.)

Normalmente, produzem uma secreção malcheirosa que costuma ser expelida, naturalmente, com as fezes, como método de marcação e lubrificação do ânus. No entanto, existem vezes em que ficam obstruídas e não eliminam este líquido, o que leva a uma acumulação no interior da glândula, causando uma inflamação que pode ser visível a olho nu.

No caso de não serem esvaziadas, as glândulas continuarão a acumular líquido, que se tornará purulento e provocará uma infeção. Se não forem esvaziadas, acabarão por rebentar e formar um abcesso com grande dor e infeção, sendo necessário realizar uma limpeza e desinfeção inicial da área, seguida de curativos diários e, em muitos casos, é necessária a ingestão de antibióticos orais por parte do teu patudo.

Para evitar este problema, é importante ajudar no esvaziamento apenas se for necessário, visto que, em alguns cães, isso ocorre naturalmente, enquanto outros têm tendência para obstruir-se, frequentemente, e requerem uma atenção especial.

No entanto, não se deve fazer, “por padrão”, com demasiada frequência, pois isso pode estimular a produção da glândula e piorar o problema. Muitas vezes, o problema está diretamente relacionado com a alimentação, visto que, se as fezes forem pastosas ou inconsistentes, não exercerão pressão sobre a glândula ao passar, impedindo o esvaziamento. Nesses casos, é necessário fazer isso manualmente, correndo o risco de que o organismo do animal de estimação se habitue e perca a capacidade de o fazer sozinho. Nessas situações, é importante rever a dieta do teu cão e o teor de fibra, e descartar problemas digestivos.

Mas como fazer?

Embora seja possível fazê-lo por conta própria, o ideal é sempre consultar um veterinário. Ainda para mais, se fores dono de um patudo de primeira viagem.

O teu cão arrasta o rabo? Damos-te 2 justificações para que isso aconteça

O procedimento consiste em, depois de usar uma luva de látex, introduzir o dedo indicador no ânus do teu patudo (humedeçe-o um pouco com água, ou vaselina, para que não o incomode) e procurar as glândulas (se considerares a circunferência anal como um relógio, estariam entre as cinco e as sete horas) enquanto coloca o polegar do lado de fora à mesma altura. Não é difícil localizá-las, visto que são pequenas como uma ervilha em condições normais. Quando as localizar, deve fazer uma massagem suave com cuidado entre os dois dedos, e se tudo correr bem, esvaziarão facilmente.

Quando começarem a arrastar o traseiro pelo chão ou a lamber excessivamente a área, isso indica que já sentem comichão ou dor, pelo que as glândulas provavelmente já não estão a funcionar normalmente, e é importante agir o mais rapidamente possível, pois ou começam a obstruir-se ou já estão obstruídas, acumulando líquido. Nesse caso, ficarão endurecidas e não será tão fácil esvaziá-las, pelo que nesse caso, o melhor é que seja feito pelo veterinário.

Uma vez que o teu melhor amigo tem esse problema, tende a repetir-se com frequência, pelo que, em muitos casos, as glândulas são removidas cirurgicamente.

2. Os Parasitas internos no teu patudo

Seriam outra das causas de comichão que levam a este comportamento. Neste caso, existem duas opções: ou desparasitar de forma preventiva ou realizar um exame coprológico no veterinário. Se se confirmar a presença de parasitas, indicará também o tipo de parasita, permitindo um tratamento mais específico e evitando tratamentos desnecessários, se o teste for negativo.

Picture of Inês Pinto

Inês Pinto

A minha gata Mia tem um papel fundamental na minha vida. Tal como ela, adoro aproveitar as longas tardes de sol.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Precisa de ajuda?