fbpx
Logo Lenda

Lenda VET Gatos Cardiac

Cardiac CAT

Comida dietética completa para gatos adultos destinada a apoiar a função cardíaca na insuficiência cardíaca crónica.

Pontos chave:

  • •  Teor limitado em sódio.
  •   Apoio à função renal.
  •   Probióticos como apoio à função renal e digestiva.
  • •  EPA y DHA para apoiar o músculo cardíaco.
  • •  PNP 24.

Peixe (hidrolisado de peixe branco, Salmão fresco* 10%), Batata doce*, leguminosas (Lentilhas* mín. 5%), hidrolisado de aves, Batata*, gordura de Frango, levedura de Cerveja (Saccharomyces cerevisiae), lignocelulose, óleo de Salmão, Krill desidratado (Euphausia superba, fonte de ácidos gordos Omega-3 e astaxantina), farinha de alfarroba*.

FAEC Complete (extrato de Yucca schidigera, produtos à base de levedura, (Saccharomyces cerevisiae, como fonte de MOS e nucleotídeos), glucosamina, sulfato de condroitina, metilsulfonilmetano, raiz de chicória, Salvia rosmarinus, Melissa officinalis, Taraxacum officinale, Salvia officinalis, Minthostachys verticillata, Cynara scolymus, Silybum marianum).

FAEC Inmune (óleo de microalga Schizochytrium sp. (fonte de ácidos gordos Omega 3 DHA), Panax ginseng, Punica granatum, Zingiber officinale, Urtica dioica, Camellia sinensis, Curcuma longa, Harpagophytum procumbens), legumes desidratados (Cenoura, Abóbora…), Maçã, Ovo inteiro desidratado.

FAEC ProbioDigestive (Enterococcus faecium, Lactobacillus plantarum, Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus rhamnosus).-* Matérias-primas naturais.

Proteína bruta 25%, Gordura bruta 20%, Cinzas brutas 6,5%, Fibra bruta 4,5%, Humidade 7%, Cálcio 0,8%, Fósforo 0,5%, Potássio 0,8%, Sódio 0,2%, Mg <0,1%, DHA+EPA 0,49%, ME 3995 Kcal/Kg.

Apoia a função cardíaca na insuficiência cardíaca crónica.

As doenças cardíacas em gatos incluem uma ampla gama de doenças de gravidade e origem variadas: doenças cardíacas congénitas, como estenose, displasia e outras malformações menos comuns. Outra causa seria doença cardíaca adquirida, como cardiomiopatia dilatada, cardiomiopatia hipertrófica, insuficiência mitral. Mas qualquer que seja sua etiologia, pode levar à insuficiência cardíaca, que é, em linhas gerais, uma disfunção do coração devido a uma alteração estrutural ou funcional.

A principal função do coração é manter a pressão arterial estável e o débito cardíaco – o volume de sangue que um ventrículo conduz por minuto. Se o débito cardíaco diminui, torna-se impossível manter a pressão arterial normal, e a pressão cai, o que desencadeia uma reação neuro-hormonal que aumenta a frequência cardíaca, a retenção de sódio e água, bem como um aumento na vasoconstrição, a fim de compensar essa queda. Esse mecanismo, que é eficaz em um caso agudo, é prejudicial em caso de disfunção cardíaca.

O mais importante no maneio clínico é diferenciar a IC crónica da aguda, sendo imperativo o controle da IC aguda e a reorientação para o tratamento crónico, com foco no prolongamento da expectativa de vida e no alívio ou minimização dos sintomas.

Dependendo dos sintomas, os diferentes tipos de IC podem ser identificados. Se observarmos líquido na cavidade abdominal, estabeleceremos que a IC acomete o lado direito do coração. Se observarmos líquido ou edema nos pulmões, estabeleceremos IC congestiva, sendo essencial o monitoramento e a medicação, com objetivo de maior inativação e relaxamento possíveis, a oxigenação forçada e o uso de diuréticos intravenosos. Em caso de líquido no abdómen, o tratamento será semelhante, com exceção de que esse tipo de congestão não gerará asfixia.

O profissional veterinário, com base nos testes de avaliação e diagnóstico, estabelecerá o tratamento farmacológico adequado, com diuréticos, anticoagulantes, inibidores, etc. O maneio nutricional é um fator importante para o tratamento dessa síndrome.

Com foco no nível nutricional, o apoio à função cardíaca é fornecido por vários aspetos, como mineralização, suplementação de ácidos gordos, controlo de calorias, entre outros.

A dieta correta para o tratamento dessa síndrome deve favorecer o peso normal, pois o excesso de peso gera um aumento da demanda hemodinâmica cardíaca, predispõe ao aparecimento de arritmias e interfere com a respiração normal. Apoia a função cardíaca na insuficiência cardíaca crónica.

Por outro lado, a caquexia deve ser prevenida, por isso deve ser uma receita saborosa, que favoreça seu consumo, ajustada caloricamente, uma vez que a restrição calórica sugere uma redução do estresse oxidativo e o excesso favoreceria o excesso de peso; com um nível equilibrado de proteínas, o que limita o catabolismo proteico que afetaria o miocárdio. Infelizmente, a detecção de caquexia é um sintoma de IC avançada.

Considera-se que suplementar com taurina e L-carnitina não é de grande relevância em cães sem deficiência de taurina, e também é recomendado para cães com hipocalemia devido a doença renal.

Outro fator particularmente útil que distinguirá uma dieta adequada é o uso de ácidos gordos ómega-3. Esses ácidos godos de cadeia longa, ricos em EPA e DHA, contribuem para minimizar o aparecimento de caquexia. Existe a possibilidade de que a ação anti-inflamatória desses ácidos gordos seja igualmente benéfica em gatos, assim como em humanos e cães, embora ainda não tenham sido realizados estudos. Logicamente, a correção dos níveis de potássio, magnésio, sódio e até fósforo deve ser considerada.

A relevância dos antioxidantes no maneio de doenças cardíacas é fundamental: vitaminas E e C, extratos botânicos como fonte de flavonoides, e a taurina propriamente dita. Tendo demonstrado os benefícios dos probióticos em outras espécies para atenuar a insuficiência cardíaca e na ausência de estudos em gatos, nos concentraremos em seu efeito benéfico em qualquer tratamento farmacológico ou em seu efeito imunomodulador fundamental.

Lenda VET Gatos Cardiac

Cardiac CAT

Alimento dietético completo para cães jovens e adultos de todas as raças, indicado para ajudar a função renal em caso de insuficiência renal crónica, insuficiência renal passageira e/ou redução da formação de cálculos de oxalato.

Pontos chave:

  • Teor limitado em sódio.
  • • Apoio à função renal.
  • • Probióticos como apoio à função renal e digestiva.
  • EPA y DHA para apoiar o músculo cardíaco.
  • PNP 24.

Peixe (hidrolisado de peixe branco, Salmão fresco* 10%), Batata doce*, leguminosas (Lentilhas* mín. 5%), hidrolisado de aves, Batata*, gordura de Frango, levedura de Cerveja (Saccharomyces cerevisiae), lignocelulose, óleo de Salmão, Krill desidratado (Euphausia superba, fonte de ácidos gordos Omega-3 e astaxantina), farinha de alfarroba*.

FAEC Complete (extrato de Yucca schidigera, produtos à base de levedura, (Saccharomyces cerevisiae, como fonte de MOS e nucleotídeos), glucosamina, sulfato de condroitina, metilsulfonilmetano, raiz de chicória, Salvia rosmarinus, Melissa officinalis, Taraxacum officinale, Salvia officinalis, Minthostachys verticillata, Cynara scolymus, Silybum marianum).

FAEC Inmune (óleo de microalga Schizochytrium sp. (fonte de ácidos gordos Omega 3 DHA), Panax ginseng, Punica granatum, Zingiber officinale, Urtica dioica, Camellia sinensis, Curcuma longa, Harpagophytum procumbens), legumes desidratados (Cenoura, Abóbora…), Maçã, Ovo inteiro desidratado.

FAEC ProbioDigestive (Enterococcus faecium, Lactobacillus plantarum, Lactobacillus acidophilus, Lactobacillus rhamnosus).-* Matérias-primas naturais.

Proteína bruta 25%, Gordura bruta 20%, Cinzas brutas 6,5%, Fibra bruta 4,5%, Humidade 7%, Cálcio 0,8%, Fósforo 0,5%, Potássio 0,8%, Sódio 0,2%, Mg <0,1%, DHA+EPA 0,49%, ME 3995 Kcal/Kg.

Apoia a função cardíaca na insuficiência cardíaca crónica.

As doenças cardíacas em gatos incluem uma ampla gama de doenças de gravidade e origem variadas: doenças cardíacas congénitas, como estenose, displasia e outras malformações menos comuns. Outra causa seria doença cardíaca adquirida, como cardiomiopatia dilatada, cardiomiopatia hipertrófica, insuficiência mitral. Mas qualquer que seja sua etiologia, pode levar à insuficiência cardíaca, que é, em linhas gerais, uma disfunção do coração devido a uma alteração estrutural ou funcional.

A principal função do coração é manter a pressão arterial estável e o débito cardíaco – o volume de sangue que um ventrículo conduz por minuto. Se o débito cardíaco diminui, torna-se impossível manter a pressão arterial normal, e a pressão cai, o que desencadeia uma reação neuro-hormonal que aumenta a frequência cardíaca, a retenção de sódio e água, bem como um aumento na vasoconstrição, a fim de compensar essa queda. Esse mecanismo, que é eficaz em um caso agudo, é prejudicial em caso de disfunção cardíaca.

O mais importante no maneio clínico é diferenciar a IC crónica da aguda, sendo imperativo o controle da IC aguda e a reorientação para o tratamento crónico, com foco no prolongamento da expectativa de vida e no alívio ou minimização dos sintomas.

Dependendo dos sintomas, os diferentes tipos de IC podem ser identificados. Se observarmos líquido na cavidade abdominal, estabeleceremos que a IC acomete o lado direito do coração. Se observarmos líquido ou edema nos pulmões, estabeleceremos IC congestiva, sendo essencial o monitoramento e a medicação, com objetivo de maior inativação e relaxamento possíveis, a oxigenação forçada e o uso de diuréticos intravenosos. Em caso de líquido no abdómen, o tratamento será semelhante, com exceção de que esse tipo de congestão não gerará asfixia.

O profissional veterinário, com base nos testes de avaliação e diagnóstico, estabelecerá o tratamento farmacológico adequado, com diuréticos, anticoagulantes, inibidores, etc. O maneio nutricional é um fator importante para o tratamento dessa síndrome.

Com foco no nível nutricional, o apoio à função cardíaca é fornecido por vários aspetos, como mineralização, suplementação de ácidos gordos, controlo de calorias, entre outros.

A dieta correta para o tratamento dessa síndrome deve favorecer o peso normal, pois o excesso de peso gera um aumento da demanda hemodinâmica cardíaca, predispõe ao aparecimento de arritmias e interfere com a respiração normal. Apoia a função cardíaca na insuficiência cardíaca crónica.

Por outro lado, a caquexia deve ser prevenida, por isso deve ser uma receita saborosa, que favoreça seu consumo, ajustada caloricamente, uma vez que a restrição calórica sugere uma redução do estresse oxidativo e o excesso favoreceria o excesso de peso; com um nível equilibrado de proteínas, o que limita o catabolismo proteico que afetaria o miocárdio. Infelizmente, a detecção de caquexia é um sintoma de IC avançada.

Considera-se que suplementar com taurina e L-carnitina não é de grande relevância em cães sem deficiência de taurina, e também é recomendado para cães com hipocalemia devido a doença renal.

Outro fator particularmente útil que distinguirá uma dieta adequada é o uso de ácidos gordos ómega-3. Esses ácidos godos de cadeia longa, ricos em EPA e DHA, contribuem para minimizar o aparecimento de caquexia. Existe a possibilidade de que a ação anti-inflamatória desses ácidos gordos seja igualmente benéfica em gatos, assim como em humanos e cães, embora ainda não tenham sido realizados estudos. Logicamente, a correção dos níveis de potássio, magnésio, sódio e até fósforo deve ser considerada.

A relevância dos antioxidantes no maneio de doenças cardíacas é fundamental: vitaminas E e C, extratos botânicos como fonte de flavonoides, e a taurina propriamente dita. Tendo demonstrado os benefícios dos probióticos em outras espécies para atenuar a insuficiência cardíaca e na ausência de estudos em gatos, nos concentraremos em seu efeito benéfico em qualquer tratamento farmacológico ou em seu efeito imunomodulador fundamental.

WhatsApp
Precisa de ajuda?